Trabalhos 
Científicos

8 a 12 de outubro
100% online


TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER02

LUSTRANDO O VIDRO FOSCO E EXPONDO A CARGA DE TRABALHO DO RADIOLOGISTA NA ERA COVID

SPRENGER, FLÁVIA (HC-UFPR)
AGUIAR, CARLOS EDUARDO (HC-UFPR)
GONÇALVES, GILCIANE RIBEIRO (HC-UFPR)
SOUZA, JOÃO VICTOR DE OLIVEIRA (HC-UFPR)
WOLANIUK, ELTON (HC-UFPR)
BIANCO, THAIS (HC-UFPR)
Introdução e objetivos: A pandemia de Sars-COV2 atingiu todas as esferas imagináveis da vida humana, não sendo diferente no campo […]

Introdução e objetivos: A pandemia de Sars-COV2 atingiu todas as esferas imagináveis da vida humana, não sendo diferente no campo da imaginologia médica. Sendo assim, o presente estudo tem como objetivo avaliar seu impacto na carga de trabalho de médicos e residentes de Radiologia em um hospital universitário.
Casuística e métodos:
A amostra foi composta por 24 médicos radiologistas preceptores e 24 médicos residentes, codificados, visando preservar suas identidades.
Foram coletados para cada um dos participantes o número de exames laudados das principais modalidades (raio-X, ecografia, TC e RM) por especialidade no período pré-pandemia (01/03/2019 à 01/03/2020) e durante a pandemia (01/03/2020 à 01/03/2021), e considerando-se o setor solicitante (ambulatório, internamento e emergência). Os subespecialistas foram avaliados também individualmente. O volume dos procedimentos intervencionistas percutâneos não-vasculares também foi contabilizado no período supracitado.
Os dados foram inseridos em planilha eletrônica. Foi realizada análise estatística básica e aplicou-se o teste de Wilcoxon para as variáveis pareadas.
Resultados: Houve uma redução de mais de 12 mil laudos no ano de 2020. A modalidade que teve redução mais marcante foi a ultrassonografia (p < 0,001). Não houve aumento significativo no volume geral de laudos de radiografias (p = 0,272) ou tomografias (p = 0,109) de tórax. Contudo, houve redução significativa do volume de laudos das tomografias de tórax em regime ambulatorial (p = 0,001), mas com importante aumento destes exames na emergência (p < 0,001). Quanto aos setores solicitantes, houve incremento substancial dos exames de pacientes oriundos da emergência (p < 0,001) e internamento (p < 0,001), em contraste com a queda dos exames ambulatoriais (p < 0,001). Esta diferença foi mais marcante nos laudos de ultrassonografia. Houve acentuada redução no volume de biópsias prostáticas (p < 0,001) e de punções aspirativas por agulha fina (p = 0,003). Não houve mudança significativa no perfil de exames laudados pelos subespecialistas, inferindo que não houve desvio importante de função. Conclusões: Conclui-se que a pandemia de Sars-COV2 teve impacto significativo no trabalho dos médicos e residentes de Radiologia do serviço em questão, com destaque para a redução importante dos exames em caráter ambulatorial, incremento dos laudos de tomografia de tórax e dos demais exames em pacientes internados ou oriundos do setor de emergência.

RELATO DE CASO

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER03

SIALOBLASTOMA: UM RARO TUMOR CONGÊNITO

KÜNNING CASQUEIRO, ANA PAULA (DASA RJ)
ALCIDES QUEVEDO CANETE, LUIS (DASA RJ)
CURTY CASTRO NETTO, EDUARDO (DASA RJ)
HYGINO DA CRUZ JR, LUIZ CELSO (DASA RJ)
Paciente feminina, 9 meses, nascida a termo com massa na região nasogeniana direita diagnosticada como hemangioma, tratada com propranolol por […]

Paciente feminina, 9 meses, nascida a termo com massa na região nasogeniana direita diagnosticada como hemangioma, tratada com propranolol por 4 meses sem melhora. Realizada RM de face para investigação, que demonstrou lesão expansiva heterogênea situada na topografia do espaço bucal direito, em íntimo contato com a porção anterior do músculo masseter e a margem anterior do ramo mandibular. Durante a investigação, o PET-CT evidenciou múltiplos pequenos nódulos pulmonares compatíveis com implantes secundários. Assim, foi realizada ressecção da lesão, com subsequente diagnóstico de sialoblastoma por exame histopatológico.
O sialoblastoma é um tumor congênito de baixo grau das glândulas salivares, de origem epitelial, usualmente localizado nas parótidas, podendo ocorrer nas submandibulares, com incidência estimada de 0,8/milhão de crianças, correspondendo a menos de 5% de todos os cânceres das glândulas salivares.
É diagnosticado ao nascimento, e apresenta-se como uma lesão subcutânea nodular ou multinodular, com dimensões que variam de 2 a 15 cm, de comportamento localmente agressivo e crescimento acelerado, com potencial infiltrativo e taxa de recorrência de 34%, podendo emitir metástases pulmonares, ósseas e linfonodais.
Os sinais e sintomas incluem, sem se limitar a, dificuldade de deglutição, paralisia facial e infiltração cutânea.
O diagnóstico é realizado por biópsia com histopatológico.
Os achados radiológicos são usuais, mas não patognomônicos. A TC mostra uma massa com densidade de partes moles nos músculos do espaço mastigatório, na topografia da parótida, enquanto a RM evidencia massa de sinal baixo/intermediário em T1 e intermediário/alto em T2, com realce tênue e heterogêneo pelo contraste.
Em 2005 a OMS o reclassificou como uma neoplasia maligna, portanto a escolha para tratamento é a ressecção cirúrgica com margens negativas.
Em casos de irressecabilidade, ausência de margens negativas ou recidiva, pode-se considerar a quimioterapia e a braquiterapia. A radioterapia também é uma opção, mas seus efeitos adversos para as estruturas da face ainda em crescimento são significativos, tornando seu uso reservado.
Deve-se considerar os diagnósticos diferenciais de carcinoma adenóide cístico (malignidade mais comum da submandibular e glândulas salivares menores), adenoma de células basais (tumor epitelial benigno de glândulas salivares), adenoma pleomórfico (neoplasia mais comum de glândulas salivares), teratoma e rabdomiossarcoma.

TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER04

INTERNATO ELETIVO DE RADIOLOGIA NA PANDEMIA: INOVAÇÃO COM ENSINO ONLINE.

FONTES,CRISTINA (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
SANTOS ALAIR (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
FERNANDES,MARTHEUS (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
SILVA,MARYANAH (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
CASTRO,LUISA (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
Apresentamos neste trabalho como adaptamos o internato eletivo em Radiologia ao formato digital Online, criando um ambiente virtual de aprendizagem, […]

Apresentamos neste trabalho como adaptamos o internato eletivo em Radiologia ao formato digital Online, criando um ambiente virtual de aprendizagem, e criamos atividades utilizando tecnologia de informação e comunicação através da plataforma digital indicada pela universidade. Com o isolamento social e afastamento dos professores e discentes da graduação, adaptamos o internato eletivo de Radiologia presencial para o formato remoto, Online, utilizando a plataforma digital indicada pela universidade. Passamos portanto as sessões clínicas do Departamento de Radiologia para o formato digital Online, síncrono, e neste processo contamos com a contribuição unânime de todos professores, adaptando as oito sessões clínicas semanais que já ocorrem há mais de trinta anos, distribuídas ao longo dos dias da semana, e também criamos novas sessões clínicas, e outras atividades didáticas, sendo atualmente o total de catorze, e todas no formato digital. No início do mês de março de 2020 houve determinação do governo federal para afastamento de todos os professores e discentes da graduação, ocorrendo também a suspensão das atividades do Internato eletivo de Radiologia dada a situação de emergência de saúde pública ocasionada pela pandemia de COVID-19. Conforme decisão do governo federal somente a turma concluinte do 12º semestre da graduação poderia receber ensino presencial, porém os demais internos do 9º,10º e 11º semestres não poderiam viabilizar carga horária com atividades no ambulatório ou no hospital. Dada a imposição do isolamento social, realizamos modificações no Internato Eletivo em Radiologia para que as atividades de ensino não fossem interrompidas, agregando as sessões clínicas. As sessões são definidas pelo Departamento de Radiologia, seguindo conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares, com a ementa submetida à Faculdade de Medicina, e a organização das sessões fica a cargo do professor responsável. A primeira turma do internato de Radiologia Online iniciou em setembro de 2020, e já tivemos 294 alunos até o mês de julho de 2021. As sessões clínicas com o novo formato digital síncrono foram muito bem aceitas pelos professores, residentes, pós- graduandos e discentes, pois permitiu uma maior interação e diversidade dos conteúdos, de tal forma que acreditamos que este formato digital deverá permanecer após a pandemia.

RELATO DE CASO

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER05

SÍNDROME HETEROTÁXICA COM POLIESPLENIA: RELATO DE CASO

SAND FERREIRA DE SOUZA, IASMIM (CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAMINAS)
ALMEIDA ARAÚJO, BEATRIZ (CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAMINAS)
RIBEIRO GARCIA, ANA CLARA (CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAMINAS)
VILELA SIQUEIRA, MARIA EDUARDA (CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAMINAS)
MEDINA CRIBARI, PAULA (CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFAMINAS)
VIRGÍNIA FERREIRA DE SOUZA, ALAIS ()
Introdução: A síndrome heterotáxica é uma patologia rara, inicialmente descrita por Helwig em 1929, que que consiste em uma desordem […]

Introdução:
A síndrome heterotáxica é uma patologia rara, inicialmente descrita por Helwig em 1929, que que consiste em uma desordem no desenvolvimento embrionário, podendo levar a múltiplas alterações quanto a presença, localização e função dos órgãos tóraco-abdominais. Tal patologia pode ser subclassificada em heterotaxia com poliesplenia (isomerismo esquerdo) e asplenia (isomerismo direito), determinando diferentes manifestações clínicas e prognósticos. Essa síndrome frequentemente está relacionada a malformações cardíacas e intestinais, o que torna a sua identificação precoce de extrema importância.
Relato do caso:
J.B.I.L., 21 anos, nuligesta, em uma consulta ginecológica de rotina, referia perda de peso e dor epigástrica esporádica, sem demais sintomas. Em propedêutica de rastreamento com base na queixa principal, foi submetida a exames de imagens e avaliação. A Tomografia Computadorizada de Tórax, Abdome e Pelve, evidenciou achados compatíveis com Síndrome de Poliesplenia, associada à variação anatômica da veia ázigos.
Discussão:
A síndrome heterotáxica, também denominada situs ambiguus, consiste em uma anormalidade de posicionamento e morfologia de órgãos toracoabdominais, que não se enquadram no posicionamento ordenado habitual dos órgãos (situs solitus) ou de sua imagem em espelho (situs inversus). A taxa de incidência da síndrome heterotáxica é de aproximadamente 1: 10.000 nascimentos e é mais prevalente no sexo masculino, na proporção de 2: 1.
Variações cardiovasculares, como interrupção da veia cava inferior com continuação para o sistema ázigo e defeitos do septo atrioventricular, estão presentes em 50-100% dos pacientes e, geralmente, são responsáveis pela gravidade e mortalidade em seus portadores. Anormalidades das vias urinárias, biliares e hepáticas, além de atresia duodenal e má rotação gastrointestinal, também podem estar presentes.
A maioria dos pacientes são assintomáticos e muitas das vezes essa síndrome é encontrada de maneira acidental durante exames de imagem ou procedimentos cirúrgicos, tornando o diagnóstico radiológico e individualização dos casos de extrema importância para a abordagem precoce da patologia e suas complicações. Logo, objetiva-se alertar a comunidade médica e acadêmica sobre a relevância do tema e suas implicações.

TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER06

QUESTÕES COM CONTEÚDO DE RADIOLOGIA NA PROVA DO EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DOS ESTUDANTES DA MEDICINA.

FONTES, CRISTINA (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
SANTOS ALAIR (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
FERNANDES, MATHEUS (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
SILVA,MARYANAH (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
CASTRO,LUISA (UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE)
Realizamos levantamento de questões com conteúdo de Radiologia na prova do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) da Medicina, […]

Realizamos levantamento de questões com conteúdo de Radiologia na prova do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) da Medicina, desde seu início em 2004, identificando as questões onde o conhecimento de conteúdos de Radiologia foi de importância para sua resolução. Avaliamos as questões quanto ao número, presença de imagem de exame, texto contendo descrição de exame na pergunta ou resposta, ou citação de exame diagnóstico por imagem.
O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) é um dos procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, e objetiva o acompanhamento do processo de aprendizagem e do desempenho acadêmico dos estudantes, avaliando rendimento dos concluintes dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares do respectivo curso de graduação. No nosso trabalho realizamos um levantamento desde 2004 das questões relativas ao curso de Medicina, que envolviam algum conhecimento em Radiologia, e avaliamos os temas que foram considerados de importância para constar nesta avaliação. Os seus resultados vão gerar dados nas instituições de educação superior, tendo referenciais, que vão definir ações do governo federal voltadas à melhoria da qualidade dos cursos de graduação por parte de professores, técnicos, dirigentes e autoridades educacionais. Revimos todas as edições do ENADE a partir de 2004, e selecionamos questões onde o conhecimento em Radiologia era necessário. Essas questões foram avaliadas quanto a sua área (clínica médica, cirurgia, pediatria e ginecologia e obstetrícia) e o seu grau de dificuldade, avaliando a coerência com o conteúdo programático da graduação em Medicina. Na revisão realizada nas provas do ENADE, avaliando as questões com conteúdo em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, encontramos questões de múltipla escolha e discursivas inseridas em avaliação de Clínica Médica, Cirurgia e Pediatria, e em menor número em Ginecologia, todas com conteúdo voltado para o nível do conteúdo programático da graduação. As questões avaliadas envolviam conteúdo específico e os exames estavam com seus aspectos descritos ou apresentados em imagem dentro da questão, tendo estes uma boa qualidade técnica. As especialidades onde os exames de Radiologia estiveram mais presentes foram a Pediatria e Cirurgia. Acreditamos que o ensino da Radiologia deva ser implementado nas instituições de ensino superior do nosso país.

TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER07

USO DO FERRAMENTAS DIGITAIS PARA O ENSINO DE RADIOLOGIA DURANTE A PANDEMIA DE COVID-19

DE SOUZA LUIS RONAN MARQUEZ FERREIRA (UFTM)
RODRIGUES ALINE MAGALHÃES (UNIV FEDERAL DE PELOTAS)
ALVARENGA TAMIRES HORTÊNCIO (UFTM)
Introdução: A pandemia do novo coronavírus, decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020, estabeleceu […]

Introdução: A pandemia do novo coronavírus, decretada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020, estabeleceu medidas de distanciamento social para desacelerar o crescimento do número de novos infectados. No cenário educacional, a forma de contato entre estudantes e professores foi transferida para videoconferências na maior parte das universidades mundo afora. Tornou-se, então, inadiável o enfrentamento do desafio de incorporação das tecnologias como smartphones, aplicativos e redes sociais para a manutenção do engajamento acadêmico e disseminação de conhecimento. Objetivo: Explorar o potencial das ferramentas de mídia sociais como “Telegram”, "Instagram"e de vídeo como o "Youtube" para o ensino de Radiologia e Diagnóstico por Imagem voltado para acadêmicos de medicina. Metodologia: Foi formado um grupo de duas discentes do curso de Medicina que, orientadas por um coordenador docente, elaboraram o conteúdo a ser publicado semanalmente por meio de um canal criado no aplicativo de troca de mensagens Telegram. Desse modo, foram compartilhadas postagens a respeito de tópicos em radiologia definidos por um cronograma mensal e cujo conteúdo consistia em uma breve introdução teórica dos temas seguida de duas a quatro questões dispostas como “enquetes” pelos aplicativos Instagram e Telegram,, as quais podiam ser respondidas pelos usuários inscritos nessa rede de transmissão. Em conjunto foram criados trabalhos, para substituir as discutidas provas por formulários digitais, para mensurar o resultado acadêmico dos alunos de medicina, com temas escolhidos do plano de ensino. Os alunos se dividiram em grupos que postavam vídeos, que eram depois julgados por radiologistas preceptores. Vídeos feitos pelos professores de radiologia, também foram gravados para complementação do ensino e revisão de aulas já ministradas digitalmente. Resultados: O canal foi criado em Outubro de 2020 e em Julho de 2021 constavam 102 inscritos, já no Instagram chegou a 4000 inscritos. Durante os 60 dias em que esteve ativo teve adesão de 69 usuários, com participação inicial de 83,2%. Conclusões: O Telegram é uma ferramenta promissora com grandes vantagens para o aprendizado dos estudantes de medicina, porém o Instagram e Youtube tem maior aderência tanto para alunos como para os preceptores, os quais precisam ter um conhecimento geral sobre diversas áreas médicas, com a possibilidade de criar conteúdo sobre os tópicos mais relevantes do plano de ensino em radiologia.

TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER08

APRESENTAÇÃO DO SINAL DO “DUPLO YIN-YANG”

FELIX, FILIPE (IMIP-HMR-HMV)
BARROS, FANILDA (ANGIOLAB)
INTRODUÇÃO: O clássico sinal do Yin-Yang, descrito por Lupatteli em 2006, sendo descrito para representação de aneurismas/pseudoaneurismas, remetendo o símbolo […]

INTRODUÇÃO: O clássico sinal do Yin-Yang, descrito por Lupatteli em 2006, sendo descrito para representação de aneurismas/pseudoaneurismas, remetendo o símbolo da cultura chinesa. O sinal apresentando, Duplo Yin-Yang, remete a proposta original do autor, sendo percebido em dissecções arteriais, de forma dupla. Sinais em radiologia são uma importante associação para se estabeleça conhecimento dos diagnósticos diferenciais que podem estar associados a aquela representação gráfica.
MÉTODO: O sinal do Duplo Yin-Yang foi percebido durante estudo ultrassonográfico Doppler colorido das carótidas extracranianas em paciente com suspeita de dissecção carotídea. Observou-se a presença de duas luzes, uma verdadeira e outra falsa, ambas com fluxo avaliado pelo Doppler colorido. O segmento distal da luz falsa encontrava-se ocluído por um trombo arterial, gerando o mecanismo de fluxo parcial reverso em função desta obstrução pelo trombo, por sua vez o volume do trombo era sufiente para gerar compresão sobre a luz verdadeira, e também determinar uma suboclusão da mesma, também gerando fluxo parcial reverso. Quando era realizado um corte transverso desse segmento arterial, a imagem evidenciava direção usual do vaso (vermelha) e um componente reverso (azul) – o sinal clássico do Yin-Yang. Diante das duas luzes, a imagem passa a ser duplicada, caracterizando agora e originalmente descrito como “sinal do Duplo Yin-Yang.
CONCLUSÃO: Um novo sinal (Duplo Yin-Yan) é descrito para o diagnóstico da dissecção arterial pela ultrassonografia com Doppler colorido. A utilização de símbolos e padrões de estudo facilita o reconhecimento da doença em diversas situações de radiodiagnóstico.

TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER09

ENSINO EM RADIOLOGIA -IMPORTÂNCIA DO ENSINO À DISTÂNCIA (EAD) NA PANDEMIA

LEAO, ROGERIO (UNIFESP)
Trata-se de um estudo transversal com residentes de radiologia e diagnóstico por imagem de algumas instituições do estado de São […]

Trata-se de um estudo transversal com residentes de radiologia e diagnóstico por imagem de algumas instituições do estado de São Paulo registraram suas respostas em um questionário. Para avaliar a confiabilidade das respostas do questionário foi utilizado o teste estatístico do coeficiente alfa de Cronbach.
O resultado do coeficiente alfa de Cronbach foi de 0,8: uma consistência interna substancial. O “N” de participantes: 30 residentes, 60% estavam no primeiro ano, 16,7% no segundo ano e 23,3% no terceiro ano. Todos tiveram ou estão tendo aulas por meio do ensino à distância(EAD).Quando questionados se os modelos de aula a distância eram melhores para o aprendizado do que os modelos tradicionais, houve discreta preferência para a concordância (41,9%). A maior parte dos entrevistados (70,9%) afirmaram estarem menos focados nos modelos on-line. Em concerne ao costume de reassistir as às aulas passadas, 61,29% dos residentes reassistem às aulas passadas.
A maioria (74,19%) declararam-se satisfeitos com as plataformas de ensino. Houve certa concordância sobre a menor interação entre os residentes (74,1%) e entre professores-alunos (51,6%) durante as aulas a distância. Em referência às aulas EAD a maior parte dos residentes concordou que há maior flexibilidade de horários (93,5%) e que dispõem de mais tempo para organizar o estudo (80,6%). Houve discreta preferência por aulas síncronas em comparação com as assíncronas para o aprendizado (54,8%), sendo a vantagem em relação ao esclarecimento de dúvidas ao vivo um consenso, 93,5% concordaram totalmente. Sobre o futuro das aulas EAD, 83,8% consideram que após a pandemia esse modelo permanecerá e 45,1% concordam que haverá substituição por completo do modelo tradicional.
As aulas online evidenciaram-se uma ferramenta complementar e protagonista para o ensino, apresentando vantagens e desvantagens. Destacasse a necessidade de estudos para avaliar o seu real impacto no desempenho curricular, inclusive avaliando os modelos híbridos para o ensino.

TRABALHO ORIGINAL

ENSINO NA RADIOLOGIA

ER10

QUESTÕES COM CONTEÚDO DE RADIOLOGIA NA PROVA DE ACADÊMICO BOLSISTA DO MUNÍCIPIO DO RIO DE JANEIRO (SUSEME).

BATISTA, GUSTAVO (UFF)
DE CASTRO, LUISA (UFF)
SILVA, MARYANAH (UFF)
FERNANDES, MATHEUS (UFF)
SOUSA, PEDRO (UFF)
FONTES, CRISTINA (UFF)
Apresentar os conteúdos de Radiologia no processo seletivo de acadêmicos de Medicina nos certames da SUSEME nos últimos seis anos. […]

Apresentar os conteúdos de Radiologia no processo seletivo de acadêmicos de Medicina nos certames da SUSEME nos últimos seis anos.
Avaliar as questões conforme citação de conteúdos de Radiologia no texto, descrição dos achados por imagem no corpo do texto da questão ou nas respostas, e questão direcionada sobre métodos diagnósticos por imagem.
O Processo seletivo para estágio não obrigatório para acadêmicos do curso de Medicina, ocorre desde o ano de 1960 na cidade do Rio de Janeiro, realizado inicialmente pela Secretaria de Saúde do antigo Estado da Guanabara, e atualmente pela Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro. O concurso público para este estágio não obrigatório remunerado, atualmente é dividido em especialidades, e o mais concorrido é o de Emergência e CTI; sendo os locais de estágio hospitais da Secretaria Municipal de Saúde.
Para concorrer ao certame o acadêmico deve estar cursando o 7º ou 8º período do curso de Medicina, comprovando que esteja matriculado e frequentando o curso, e a Instituição de Ensino seja reconhecida pelo Ministério da Educação.
Os estágios constituem cenário de prática imprescindíveis na formação do discente de Medicina, deste modo, o estágio oferecido pela SUSEME constitui um espaço para aperfeiçoar competências e habilidades desenvolvidas na sala de aula e nos laboratórios da graduação.
O processo seletivo consta de prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, com 40 questões de múltipla-escolha abordando os conteúdos programáticos do edital.
Realizamos levantamento das provas da SUSEME dos anos de 2016 a 2021, avaliando os conteúdos de Radiologia.
Dividimos o conteúdo apresentado nas questões conforme se apresentavam em: citação no texto e descrição dos achados (estando no corpo do texto ou nas respostas), e pergunta direcionada sobre métodos diagnósticos por imagem.
Avaliamos também o conteúdo conforme as grandes áreas do Internato, como Clínica Médica, Cirurgia, Ginecologia-Obstetrícia e Pediatria.
Dentre as questões com conteúdo de métodos diagnósticos por imagem encontramos em maior número versando sobre RX de tórax, TC de tórax e TC de crânio.
Os conteúdos de Radiologia inseridos nas questões levam ao raciocínio diagnóstico, sendo notadamente vinculados ao conteúdo de Clínica Médica, Cirurgia e Pediatria.
Os conteúdos avaliados estão de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Medicina.

Patrocinadores